Numa época assim fica tudo difícil; ideias, sonhos e esperanças crescem em nós, e depois são esmagados pela dura realidade. É incrível que eu não tenha abandonado todos os meus ideias já que parecem tão absurdos e pouco práticos. Mas me agarro a eles porque ainda acredito, apesar de tudo, que as pessoas no fundo são boas.
O Diário de Anne Frank.   (via quase-heroi)

(via quase-heroi)

Eu já perdi a hora. Já perdi o ônibus. Já perdi amigos. Já perdi meu tempo com algumas pessoas. Já perdi às chaves do carro. Já perdi meu celular, mas nenhumas dessas perdas foi tão dolorosa como perder você. É sempre um baque, porque a gente nunca acha que está magoando. A gente nunca espera ser abandonado, deixado de lado como se fossemos uma roupa velha, mesmo quando merecemos. Apesar de serem necessárias, às perdas nunca são fáceis.
O Primeiro Amor de um Homem.   (via quase-heroi)

(via quase-heroi)

A maldade do mundo te fez ser durona

(via sawirada)

Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde às três eu começarei a ser feliz.
O Pequeno Príncipe.  (via esclarecer)

(via acredite-na-vida)

Se foi amor
por que você
se foi, amor?
Eu Me chamo Antônio.   (via quase-heroi)

(via quase-heroi)

Não é porque você me negou aquele pão de queijo na 3ª série, numa tarde ensolarada de 6 de março de 2004 que eu guardo rancor de você.

(via acredite-na-vida)

(via sawirada)